Ser livre, eu não sei.

Ser livre, eu não sei. Esses dias eu vi uma publicação no facebook, postada pelo perfil do Biblecast. E o post era o seguinte:

(Para os interessados, o documento completo sobre música pode ser lido aqui. Não vou abordar princípios na escolha musical, pois o documento já é bem profundo.)

E eu achei isso demais. Por um simples motivo: ao longo da história, da nossa história, criamos regras que representam aplicações de alguns princípios à nossa vida e as propagamos. Por algum motivo x elas se tornam virais e começam a ser divulgadas como representando o pensamento de um grupo todo, sem ser necessariamente verdade. E às vezes essas idéias podem ser extremismos prejudiciais. Quando entendemos que elas não são uma verdade absoluta, é simplesmente libertador. Não tenho outras palavras. Mas então me lembro do trecho de um dos meus livros favoritos:

“Essa é a estratégia do diabo para nos pegar. Ele sempre envia ao mundo erros aos pares – pares de opostos. E sempre nos estimula a desperdiçar um tempo precioso na tentativa de adivinhar qual deles é o pior. Sabe por quê? Ele usa o fato de você abominar um deles para levá-lo para aos poucos a cair no extremo oposto. Mas não nos deixemos enganar. Temos de manter os olhos fixos em nosso objetivo, que está bem à nossa frente, e passar reto no meio de ambos erros. Nem um nem outro nos interessam.” C.S. Lewis, em “Cristianismo Puro e Simples”

Corremos o risco constante de abusar da nossa liberdade e nos tornarmos o extremo oposto daquilo que repudiamos. De conservadores reducionistas à liberais acríticos e permissivos. É isso mesmo? Como se a liberdade se tornasse um fim em si mesma? Eu estou cansado de ver isso em um bando cristãos acéfalos. E lembro que, pra efeitos cristãos, ter cérebro é saber usar a Bíblia que você tem na sua estante. E não me leve a mal. Não é pra ser pejorativo. Eu me incluo no meio, porque também estou cansado de ver isso em mim e esse é um desabafo sobre o que sou. Pautar a vida por regras cegas e tradições irrefletidas é tão repulsivo do ponto de vista espiritual quanto viver pela minhas vontades e gostos, per se. Essa pelo menos não é a liberdade que surge ao se andar com Deus. (v. Gálatas 5.13; 1 Pedro 2.16) É como o conselho de Paulo: “Quanto aos jovens, avisem-nos que devem ser criteriosos em todas as coisas.” (Paráfrase de Tito 2.6) E critério é baseado em princípio bíblico and nothing else, pal. Não podemos esquecer que, nas palavras de George MacDonald, você pensava que se tornaria um simpático chalezinho, mas Deus quer transformá-lo num palácio. Redenção implica em nova criação e não uma melhora do que era antigo.


O que você pensa sobre isso? Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s