O que Ellen G. White pensava da Bíblia?

por Ellen G. White
compilado por Walter Mendes

12193288_915710071817102_8700997252882148520_n

No púlpito e no evangelismo deve ser usada a Bíblia e só a Bíblia

“No trabalho público não torneis proeminente nem citeis o que a Irmã White tem escrito, como autoridade para apoiar vossas posições. Fazer isto não aumentará a fé nos testemunhos. Apresentai vossas provas, claras e simples, da Palavra de Deus. Um ‘Assim diz o Senhor’ é o mais forte testemunho que podeis apresentar ao povo. Que ninguém seja instruída a olhar para a Irmã White, e, sim, ao poderoso Deus, que dá instruções à Irmã White.”
– Ellen G. White, Carta 11, 1894.

“Deus nos chama a um reavivamento e uma reforma. As palavras da Bíblia, e da Bíblia somente, deveriam ser ouvidas do púlpito. Mas a Bíblia tem sido despida de seu poder, e o resultado é ausência de vigor espiritual. Em muitos sermões de hoje não existe aquela manifestação divina que desperta a consciência e traz vida à alma. Os ouvintes não podem dizer: ‘Não estava queimando o nosso coração, enquanto Ele nos falava no caminho e nos expunha as Escrituras?’ (Lucas 24:32). Muitos estão clamando pelo Deus vivo, ansiando pela presença divina. Permitam que a Palavra de Deus fale ao coração deles. Deixem que os que têm ouvido apenas tradições, teorias e ensinos humanos ouçam a voz dAquele que pode renová-los para a vida eterna.”
– Ellen G. White, Profetas e Reis, pág. 626.

“A Bíblia é a única regra de fé e doutrina. E não há nada mais apropriado para vigorizar a mente e fortalecer o intelecto do que o estudo da Palavra de Deus. Não há outro livro que seja tão poderoso para elevar os pensamentos e dar vigor às faculdades como as vastas e enobrecedoras verdades da Bíblia. Se a Palavra de Deus fosse estudada como deveria ser, os homens teriam uma grandeza de entendimento, uma nobreza de caráter e uma firmeza de propósito que raramente se veem nestes tempos. Milhares de homens que ministram no púlpito carecem das qualidades essenciais da mente e do caráter, porque não se aplicam ao estudo das Escrituras. Satisfazem-se com um conhecimento superficial das verdades repletas de profunda significação; e preferem continuar assim, perdendo muito em todo o sentido, em vez de buscar com diligência o tesouro escondido.”
– Ellen G. White, Fundamentos da Educação Cristã, pág. 126.

Na Bíblia se encontra o que precisamos saber para a salvação

“Não basta sabermos o que outros têm pensado ou aprendido acerca da Bíblia. Cada qual deve no juízo dar conta de si mesmo a Deus, e deve hoje aprender por si mesmo o que é a verdade.”
– Ellen G. White, Educação, pág. 188.

“Irmãos, apeguem-se à Bíblia, exatamente conforme ela declara, parem com suas críticas relativamente a sua validade, e obedeçam à Palavra, e nenhum de vocês se perderá.”
– Ellen G. White, Mensagens Escolhidas, vol. 1, pág. 18.

“Em Sua Palavra, Deus conferiu aos homens o conhecimento necessário à salvação. As Santas Escrituras devem ser aceitas como autorizada e infalível revelação de Sua vontade. Elas são a norma do caráter, o revelador das doutrinas, a pedra de toque da experiência religiosa. ‘Toda Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.’ – II Tim. 3:16 e 17.”
– Ellen G. White, O Grande Conflito, pág. 9.

“A salvação de nossa alma está em jogo, e devemos examinar as Escrituras por nós mesmos. Por mais fortes que possam ser nossas convicções, por maior confiança que tenhamos de que o ministro sabe o que é a verdade, não seja este o nosso fundamento. Temos um mapa dando todas as indicações do caminho, na jornada em direção ao Céu, e não devemos estar a conjeturar a respeito de coisa alguma. O primeiro e mais elevado dever de todo ser racional é aprender das Escrituras o que é a verdade, e então andar na luz, animando outros a lhe seguirem o exemplo. Devemos dia após dia estudar a Bíblia, diligentemente, ponderando todo pensamento e comparando passagem com passagem. Com o auxílio divino devemos formar nossas opiniões por nós mesmos, visto termos de responder por nós mesmos perante Deus.”
– Ellen G. White, O Grande Conflito, pág. 598.

Ellen G. White não substitui a Bíblia nem se iguala a ela

“Recomendo-vos, caro leitor, a Palavra de Deus como regra de vossa fé e prática. Por essa Palavra seremos julgados. Nela Deus prometeu dar visões nos “últimos dias” [registradas nos escritos de Ellen G. White]; não para uma nova regra de fé, mas para conforto do Seu povo e para corrigir os que se desviam da verdade bíblica.”
– Ellen G. White, Primeiros Escritos, pág. 78.

“Os Testemunhos [livros e demais escritos de Ellen G. White] não estão destinados a comunicar nova luz; e sim imprimir fortemente na mente as verdades da inspiração que já foram reveladas. Eles não têm por fim diminuir a Palavra de Deus, e sim exaltá-la e atrair para ela as mentes, para que a bela singeleza da verdade possa impressionar a todos. […] A Palavra de Deus é suficiente para iluminar o Espírito mais obscurecido, e pode ser compreendida por todo aquele que sinceramente deseja entendê-la.”
– Ellen G. White, Conselhos Para a Igreja, pág. 93.

Ellen G. White serve para levar as pessoas de volta à Bíblia

“Pouca atenção é dada à Bíblia, e o Senhor deu uma luz menor [os escritos de Ellen G. White] para guiar homens e mulheres à luz maior [a Bíblia].”
– Ellen G. White, O Colportor-Evangelista, pág. 125.

“A Palavra de Deus é suficiente para iluminar o espírito mais obscurecido, e pode ser compreendida de todo o que sinceramente deseja entendê-la. Mas, não obstante isto, alguns que dizem fazer da Palavra de Deus o objeto de seus estudos, são encontrados vivendo em oposição direta a alguns de seus mais claros ensinos. Daí, para que tanto homens como mulheres fiquem sem escusa, Deus dá testemunhos claros e decisivos [os escritos de Ellen G. White], a fim de reconduzi-los à Sua Palavra, que negligenciaram seguir. A Palavra de Deus está repleta de princípios gerais para a formação de hábitos corretos de vida, e os testemunhos, tanto gerais como individuais, visam chamar a sua atenção particularmente para esses princípios.”
– Ellen G. White, Testemunhos Seletos, vol. 2, pág. 279.

Estudar a Bíblia é fundamental para preparar-se para os tempos finais

“Os cristãos devem estar-se preparando para aquilo que logo irá cair sobre o mundo como terrível surpresa, e esta preparação deve ser feita mediante diligente estudo da Palavra de Deus e pelo levar a vida em conformidade com o seus preceitos.”
– Ellen G. White, Profetas e Reis, pág. 626.

“As necessidades urgentes de nossa época exigem contínua educação na Palavra de Deus. Essa é a verdade presente. Deve ocorrer em todo o mundo uma reforma no estudo da Bíblia, pois ela é agora mais necessária do que nunca. À medida que essa reforma progredir, será realizada uma poderosa obra. Deus foi muito claro quando disse que Sua Palavra não voltaria para Ele vazia.”
– Ellen G. White, Testemunhos para a Igreja, vol. 6, pág 131.

“Pessoa alguma, a não ser os que fortaleceram o espírito com as verdades da Escritura, poderá resistir no último grande conflito.”
– Ellen G. White, O Grande Conflito, pág. 593.

“Olhando para os últimos dias, declarou o apóstolo Paulo: ‘Virá tempo em que não sofrerão a sã doutrina.’ II Tim. 4:3. Chegamos, já, a esse tempo. As multidões rejeitam a verdade das Escrituras, por ser ela contrária aos desejos do coração pecaminoso e amante do mundo; e Satanás lhes proporciona os enganos que amam. Mas Deus terá sobre a Terra um povo que mantenha a Bíblia, e a Bíblia só, como norma de todas as doutrinas e base de todas as reformas. As opiniões de homens ilustrados, as deduções da ciência, os credos ou decisões dos concílios eclesiásticos, tão numerosos e discordantes como são as igrejas que representam, a voz da maioria – nenhuma destas coisas, nem todas em conjunto, deveriam considerar-se como prova em favor ou contra qualquer ponto de fé religiosa. Antes de aceitar qualquer doutrina ou preceito, devemos pedir em seu apoio um claro – ‘Assim diz o Senhor’.”
– Ellen G. White, O Grande Conflito, págs. 594-595.

___________
Ellen G. White (1827-1915), escritora e palestrante, foi uma das cofundadoras da Igreja Adventista do Sétimo Dia, tendo exercido o dom bíblico da profecia durante 70 anos de ministério público.

 

Fonte: O que Ellen G. White pensava da Bíblia? (parte 1 de 2)


2 comentários sobre “O que Ellen G. White pensava da Bíblia?

  1. Em primeiro lugar, discordo com a afirmação de que, no púlpito, tem que ser usada apenas a Bíblia. Ellen G. White diz que DEVERIA ser usada apenas a Palavra de Deus. E, sempre que isso for possível, certamente, deve ser feito. Mas existem casos em que é importante citar textos dos Testemunhos (quando falando aos adventistas), como quando se faz uso de coisas como o café, sobre o qual a Bíblia não faz nenhuma referência. Em segundo lugar, Ellen White jamais colocou os Testemunhos abaixo da Bíblia, como se eles tivessem menos valor. Ela apenas não queria que os adventistas colocassem os mesmos acima da Bíblia. Porém, em termos de autoridade, ambos têm a mesma validade, já que o Espírito Santo é o verdadeiro Autor tanto da Bíblia quanto dos escritos de Ellen G. White.

    Curtir

O que você pensa sobre isso? Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s