Mensagens subliminares são compatíveis com a visão de mundo cristã?

(Escrito por Bruno Ribeiro Nascimento)

O nerdologia fez um vídeo que eu gostaria de ter feito sobre uma das pseudociências mais populares no meio cristão evangélico: as mensagens subliminares. Lamentavelmente, esse tipo de conteúdo ainda se encontra presente em livros e até mesmo no púlpito de algumas igrejas cristãs evangélicas, defendido por pessoas que, mesmo comprometidas com a cosmovisão cristã, ainda insistem nesse tipo de coisa.

Existem vários motivos do porquê as mensagens subliminares e a cosmovisão cristã são incompatíveis e irreconciliáveis. Citarei apenas quatro.

O primeiro diz respeito a estrutura do mundo na visão de mundo cristã: para o teísmo cristão, o mundo é uma uniformidade de causa e efeito, em um sistema aberto. Isso significa que o mundo é ordenado, não caótico; ele é regular, não desordenado. Além disso, o mundo é um sistema ABERTO, ou seja, ele não é programado, nem predeterminado. O curso dos acontecimentos na Terra está aberto ao reordenamento divino e humano. Os humanos não são DETERMINADOS pelos seus genes, pelo ambiente ou por qualquer outro elemento do universo. Há no homo sapiens a possibilidade de decidir não seguir seus instintos, sua genética, sua comunidade, etc – ainda que a capacidade de liberdade humana esteja danificada (mas não totalmente), dado os efeitos da queda.

O segundo tem haver com a noção de pessoalidade:
os seres humanos fazem escolhas em um universo ordenado aberto. Essas escolhas movimentam o futuro e inserem novas ocorrências na cadeia de causa e efeito da natureza, ou seja, quando um ser humano DECIDE de forma INTENCIONAL e AUTÔNOMA agir sobre o mundo, ele induz a natureza a fazer coisas que ela não seria capaz de realizar deixada a própria sorte. Depois disso, claro, a natureza segue seu rumo normal de causa e efeito. É o ser humano que insere novas ocorrências na natureza, não a natureza insere possíveis ocorrências, de forma determinada, para o ser humano. O ser humano reordena o universo (e é atingido pelas consequências disso), mas ele mesmo não é parte da engrenagem mecânica-determinista desse reordenamento.

Em terceiro lugar, as mensagens subliminares são resultado de uma visão de mundo naturalista, rigidamente determinista e, por isso, ultrapassada, que vê o ser humano como parte da engrenagem mecânica do mundo. O cosmo, nessa visão de mundo, é resultado de uma uniformidade causa/efeito em um universo FECHADO. Ou seja, o universo NÃO está aberto a algum tipo de reordenamento a partir do exterior, seja por Deus (que para eles não existe), seja por algum outro elemento pessoal que consiga transcender a lógica de causa e efeito do universo (como o teísmo afirma que o ser humano é capaz).

Toda a lógica das mensagens subliminares acontece a partir dessa visão de mundo, onde as causas naturais são inexoráveis e, por isso, o ser humano é apenas um elemento mecânico como qualquer outro do cosmo. A consciência humana, nessa visão de mundo, faz parte da grande engrenagem material/natural que forma o universo. Logo, ela é determinada, não é autônoma, sendo totalmente decidido por agentes do próprio sistema (gene, ambiente, etc). Nietzsche foi o filósofo que melhor descreveu esse “homem naturalista”:

“Se alguém fosse onisciente, seria capaz de CALCULAR cada ação individual [humana] antecipadamente, cada passo no progresso do conhecimento, cada erro, cada ato de malícia. Sem dúvida, o homem atuante é surpreendido na sua ILUSÃO DE VONTADE. Se a roda do mundo tivesse que parar, ainda que por um momento, e uma mente onisciente e calculista estivesse lá para aproveitar-se dessa interrupção, ela seria capaz de relatar o futuro longínquo de cada ser e descrever cada giro que a roda dará. O delírio do homem sobre si mesmo, sua suposição de que o livre-arbítrio existe, também faz parte do mecanismo do cálculo” (Humano, demasiado humano, n. 106).

Em quarto lugar, os cristãos tem um significativo compromisso com a ciência e com a noção de verdade. Isso significa que, por causa do apreço que os cristãos tem com o método científico, eles ficam desconfiados com aquilo que a ciência desconfia – a não ser que haja um fortíssimo motivo teológico para desconfiar da opinião da comunidade científica em algum ponto específico onde ela é unânime. As mensagens subliminares são um bom exemplo de pseudociência, ou seja, é um campo do “saber” que se diz ser baseada em fatos científicos, mas que não resulta da aplicação de métodos científicos.

Como o Atila mostra no vídeo, há bons experimentos que demonstrariam a possível verdade das mensagens subliminares (como o experimento da CBS). Mas eles NÃO tiveram NENHUM efeito. Ao contrário: refutaram categoricamente os postulados em que essa pseudociência está apoiada. Por exemplo: um dos critérios do método científico é ser reproduzível, isto é, dada as mesmas circunstâncias do experimento, o resultado precisa se reproduzir tal qual o estudo original. Você sabe quantas vezes isso aconteceu com pesquisas sobre mensagens subliminares? NUNCA.

Outro princípio cientifico importante é o falsificacionismo, isto é, a ciência busca a todo tempo experimentos ou observações que possam falsear uma teoria de forma decisiva. Apesar desse principio não poder ser aplicado de forma categórica e isolada, o vídeo do Atila traz vários estudos que FALSIFICARAM os principais postulados das mensagens subliminares.

Além disso, quantas pesquisas você conhece, revisada por pares, em revistas acadêmicas de prestígio, com a capacidade de ser reproduzível, que mostraram que as mensagens subliminares funcionam? Pois é, elas não existem!

Dado os quatro motivos acima e o compromisso do cristianismo com uma antropologia cristã, com a ciência e com a verdade, os cristãos deveriam não apenas rejeitar esse tipo de pseudociência, mas também mostrar para as pessoas que ainda não estão totalmente conscientes das implicações de sua visão de mundo o porquê esse tipo de coisa deve ser rejeitado.

Referências

SIRE, James. O universo ao lado: um catálogo básico sobre cosmovisão. São Paulo: Hagnos, 2009.

http://www.projetoockham.org/pseudo_subliminar_1.html

PEARCEY, Nancy & THAXTON, Charles. Alma da ciência: fé cristã e filosofia natural. São Paulo: Cultura Cristã, 2005.

https://www.youtube.com/watch?v=u0E-olnlJkE

NIETZSCHE. Humano demasiado humano. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.


O que você pensa sobre isso? Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s